Clipping

18/06/2008 | B2B Magazine Online

Investimentos da Telmex na Embratel somam R$6,3 bi

A Embratel recebeu investimentos de 6,3 bilhões de reais de sua acionista, a Telmex, o que representa uma média anual de 1,5 bilhão de reais desde julho de 2004, quando o grupo assumiu o controle da companhia. Desde então, a operadora brasileira passou por ampla reestruturação operacional e financeira. A informação consta no relatório de 42 anos de história da Embratel, que a empresa acaba de lançar.

Segundo o relatório, a Embratel vivia um momento difícil em 2004, com endividamento de 4,1 bilhões de reais, declínio de receitas e dificuldades de liquidez. As dívidas judiciais tinham potencial estimado de 6 bilhões de reais. Hoje, o endividamento caiu para 1,9 bilhão de reais, a receita voltou a crescer e a empresa implementa um amplo programa de investimentos.

A publicação especial conta a história da atuação da Embratel e do desenvolvimento das telecomunicações no Brasil. Desde a sua fundação em 1965, a companhia oferece serviços para consumidores e empresas. Pioneira nas comunicações via satélite no país, a Embratel proveu a base tecnológica para a formação das redes nacionais de televisão. Criou também o primeiro sistema de Telex, as ligações DDD e DDI, e, em 1990, a Internet comercial, a primeira rede de dados e soluções modernas de telefonia.


Investimentos e serviços

O relatório destaca trajetória da Embratel com a chegada da Telmex. Os recursos aplicados na operadora brasileira trouxeram novas perspectivas para os negócios. A Embratel pôde investir em novas soluções para seus clientes em linha com sua estratégia de crescimento em telefonia local, transmissão de dados, Internet banda larga e desenvolvimento de nova geração de satélites.

Em 2005 a empresa adquiriu participação na Net Serviços, oferecendo ao mercado residencial telefonia fixa dentro da oferta de triple play. Para fortalecer sua atuação no segmento corporativo, comprou a PrimeSys, empresa especializada em terceirização de serviços de telecom para grandes corporações.


Nova geração de satélites

O lançamento do Star One C1, em novembro de 2007, marcou o início da terceira geração de satélites da Embratel, denominada Série C. Mais moderno e com maior cobertura e potência para serviços, como Internet banda larga em localidades remotas, o novo satélite assegura a continuidade e a qualidade dos serviços de telecomunicações prestados no país. O investimento de 1 bilhão de reais nesta nova geração de satélites, composta pelo Star One C1 e pelo Star One C2, a ser lançado em fevereiro de 2008, demonstra a confiança da Embratel no futuro do Brasil e renova seu compromisso de prover serviços de alta confiabilidade de telefonia, rádio, dados e Internet, como garantir às Forças Armadas a continuidade dos serviços de telecomunicações e transmitir sinais de televisão para mais de 16 milhões de residências.

Voltar